TREINAMENTO SOBRE TRATAMENTO DE FERIDAS

TREINAMENTO SOBRE TRATAMENTO DE FERIDAS

Viajo pelo Brasil ministrando treinamento sobre tratamento de feridas desde 2005. Em meu curso tento instrumentalizar os alunos para que os mesmos tenham base não só para tratar feridas, mas também para empreender e construir bons protocolos, seja no âmbito de serviços públicos ou privados.

Quase sempre sou abordado após os cursos por alunos que querem um modelo de protocolo, muitas vezes por quererem algo pronto, que não lhe ofereçam nenhum trabalho. Sempre me esquivo da melhor forma, um dos motivos é por acreditar que não existe modelo único que possa ser aproveitado por diferentes instituições.

Resolvi por isso escrever esse artigo, para mostrar quais são os principais passos para montar um bom protocolo, que acima de tudo seja sustentável e duradouro.

1) Conhecer o perfil da sua clientela:

Esse é o primeiro ponto para construir um bom protocolo. É necessário conhecer e saber quais são as feridas mais prevalentes e qual o potencial de pacientes que o serviço pode vir a atender. Uma dica quando se trata de prefeituras, é solicitar que as unidades preencham planilhas com os pacientes em atendimento. Outra maneira é basear-se em dados epidemiológicos, por exemplo sabemos que as úlceras venosas possuem uma incidência entre 1 a 2%, e que de 10 a 15 % dos pacientes diabéticos possuem um determinado tipo de ferida nos pés. Na construção desses números é bom conhecer também a característica do serviço, quando se tratar de um serviço público é importante na coleta de dados epidemiológicos descartar o percentual de pacientes que possuem convênios, esses dados podemo ser fornecidos pelos censos do IBGE.

2) Saber quais são as feridas mais prevalentes:

O protocolo para um hospital deverá ser muito diferente do protocolo de uma Unidade Básica de Saúde, e vai existir até mesmo variações entre hospitais. Se um hospital tem um Centro de Queimados na padronização de coberturas deverá ser levado em conta as necessidades específicas para essa finalidade, o que não será necessário para um hospital onde esse tipo de atendimento não é realizado. Em um Hospital não será necessário padronizar terapias compressivas, pois o tratamento de úlceras venosas é predominantemente realizado nas Unidades Básicas de Saúde, que por sua vez deverá possuir em seu estoque esse tipo de produto.

3) Prontuários, Termos e Impressos:

É de suma importância que sejam providenciados prontuários adaptados para esse tipo de tratamento. Construir uma boa ficha de anamnese que além da avaliação da ferida permita também coletar dados que possam nortear a escolha do tratamento. Vários termos devem ser criados e deixados disponíveis em local de fácil acesso: prontuário eletrônico, intranet. Entre os principais termos posso citar: termo de consentimento para fotografia, termo de consentimento para debridamento e termo de ciência de feridas de difícil cicatrização.

4) Padronização de Materiais:

Nessa fase de construção do protocolo, deve se levar em conta a realidade financeira da Instituição. É possível construir bons protocolos com um número mínimo de coberturas, e esse será o tema da minha próxima postagem. Mas de uma forma geral, é preciso conhecer as possibilidades existentes no mercado e aliar isso com conhecimento científico, afim de que os produtos padronizados possam atender as diferentes demandas no processo de cicatrização. Estabelecer mecanismos de controle de estoque e reposição é muito importante. Atenção especial deve ser dada ao controle rigoroso da dispensação de coberturas especiais, afim de evitar mal uso, desvios e subutilização.

5) Por fim é importante criar indicadores para avaliar a eficiência do protocolo

Aplicar metodologias que avaliam o tempo de cicatrização, realizar estudos comparativos de preços com os tratamentos convencionais e apresentar esses resultados para os gestores, construir gráficos de gestão a vista para motivar e envolver os colaboradores, estimular a produção científica e descrição de casos promovendo intercâmbio entre unidades da rede (uma maneira de todos aprenderem com todos).

Acredito que esses passos são fundamentais para a criação de um bom protocolo de tratamento de feridas, em breve vou postar novos conteúdos falando de empreendedorismo.

Ressalto que temos um time de consultores para atender Prefeituras, planos de saúde, hospitais e Instituições de ensino.

Deixe uma resposta