fbpx

Escala de Braden: o que é e como funciona na prática

A Escala de Braden é um instrumento amplamente utilizado por profissionais de saúde para avaliar o risco de desenvolvimento de úlceras de pressão em pacientes acamados ou com mobilidade reduzida. 

A avaliação do risco é fundamental para a prevenção e o tratamento de úlceras de pressão, que são lesões graves na pele e nos tecidos subjacentes, causadas pela pressão prolongada em áreas específicas do corpo.

A seguir, vamos entender em detalhes o que é a Escala de Braden, sua finalidade e como aplicá-la na prática clínica.

O que é a Escala de Braden?

A Escala de Braden, como vimos, é um instrumento de avaliação criado para analisar o risco de desenvolvimento de úlceras de pressão em pacientes acamados ou com mobilidade reduzida. 

Essa escala é composta por seis subescalas, cada uma com um conjunto de perguntas relacionadas a diferentes fatores de risco para úlceras de pressão. 

Os fatores de risco avaliados pela escala incluem a capacidade do paciente de se mover, o estado nutricional, a umidade da pele, a pressão exercida sobre a pele, a presença de dor e a idade do paciente.

Quem criou a Escala de Braden?

A Escala de Braden foi criada por Barbara Braden e Nancy Bergstrom em 1987, como parte de um projeto de pesquisa financiado pelo governo dos Estados Unidos. 

Barbara Braden era enfermeira em um hospital de Utah e notou que muitos pacientes apresentavam úlceras por pressão, o que levava a complicações e aumentava o tempo de internação. 

Preocupada com essa situação, ela começou a buscar formas de prevenir essas feridas.

Já Nancy Bergstrom era professora de enfermagem na Universidade de Utah e trabalhava em um projeto de pesquisa sobre úlceras por pressão. 

Quando Barbara relatou suas preocupações, Nancy percebeu que havia uma necessidade de uma ferramenta padronizada para avaliar o risco de úlceras por pressão em pacientes acamados.

Juntas, então, desenvolveram a Escala de Braden, que se tornou um instrumento padrão em todo o mundo para avaliar o risco de úlceras por pressão. 

A partir daí, a escala foi traduzida para vários idiomas e é usada por enfermeiros, médicos e outros profissionais de saúde em hospitais, clínicas e residências para idosos em todo o mundo.

Como funciona a pontuação na Escala de Braden?

A Escala de Braden é composta por seis subescalas, cada uma com um conjunto de perguntas relacionadas a diferentes fatores de risco para úlceras de pressão. 

Cada subescala é pontuada de 1 a 4, exceto a subescala de idade, que é pontuada de 1 a 3. 

A pontuação total varia de 6 a 23 pontos, sendo que quanto menor a pontuação, maior o risco de desenvolvimento de úlceras de pressão.

As seis subescalas da Escala de Braden e seus respectivos pontos são:

  • Percepção sensorial: avalia a capacidade do paciente de sentir dor e desconforto na região onde há pressão, atribuindo uma pontuação de 1 a 4.
  • Umidade: avalia o grau de umidade da pele do paciente, que pode aumentar o risco de úlceras, atribuindo uma pontuação de 1 a 4.
  • Atividade: avalia o nível de atividade física do paciente, que pode reduzir a pressão sobre a pele, atribuindo uma pontuação de 1 a 4.
  • Mobilidade: avalia a capacidade do paciente de mudar de posição, o que também pode reduzir a pressão sobre a pele, atribuindo uma pontuação de 1 a 4.
  • Nutrição: avalia o estado nutricional do paciente, uma vez que a desnutrição pode aumentar o risco de úlceras por pressão, atribuindo uma pontuação de 1 a 4.
  • Fricção e cisalhamento: avalia a exposição do paciente a forças de fricção e cisalhamento, que podem danificar a pele, atribuindo uma pontuação de 1 a 3.

Após a avaliação em cada uma dessas subescalas, os pontos são somados para obter a pontuação total do paciente na escala de Braden, que varia de 6 a 23. Quanto menor a pontuação, maior é o risco de desenvolver úlceras por pressão.

Assim, uma pontuação abaixo de 16 indica que o paciente está em risco elevado para desenvolver úlceras por pressão e, portanto, medidas preventivas devem ser tomadas. 

Já uma pontuação entre 16 e 18 indica risco moderado e uma pontuação acima de 18 indica baixo risco.

É importante lembrar que a escala de Braden é apenas uma ferramenta de avaliação e não deve ser usada isoladamente para tomar decisões clínicas.

A avaliação do paciente deve ser feita de forma completa e individualizada, considerando outros fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento de úlceras por pressão.

Como aplicar a Escala de Braden na prática

A seguir estão as instruções passo a passo sobre como aplicar a Escala de Braden:

  1. Verifique se o paciente é capaz de sentir dor e desconforto em uma área específica e se é capaz de responder adequadamente a estímulos, como toque, calor ou frio, ou se apresenta algum tipo de perda sensorial. A pontuação varia de 1 (não responsivo) a 4 (responde adequadamente).
  2. Avalie o nível de umidade da pele do paciente. A pele pode estar seca, úmida ou molhada. A pontuação varia de 1 (pele muito úmida ou molhada) a 4 (pele seca).
  3. Avalie o nível de atividade do paciente. A atividade pode variar de acamado a ambulante. A pontuação varia de 1 (cadeirante ou acamado) a 4 (atividade regular).
  4. Avalie a capacidade de mobilidade do paciente. A mobilidade pode variar de completamente restrita a totalmente independente. A pontuação varia de 1 (completamente restrito) a 4 (totalmente independente).
  5. Avalie o estado nutricional do paciente. A nutrição pode variar de muito pobre a excelente. A pontuação varia de 1 (muito pobre) a 4 (excelente).
  6. Avalie a capacidade do paciente de se mover na cama e a probabilidade de a pele entrar em contato com superfícies ásperas ou ser puxada por movimentos de fricção ou cisalhamento. A pontuação varia de 1 (problemas graves com fricção e cisalhamento) a 3 (sem problemas).

A avaliação deve ser realizada pelo menos uma vez por dia e sempre que houver mudança na condição clínica do paciente.

Ao aplicar a Escala de Braden, é possível identificar pacientes com risco aumentado de desenvolver úlceras por pressão e tomar medidas preventivas precocemente, como mudanças na posição do paciente, uso de colchões ou almofadas especiais e outros cuidados com a pele. 

Além disso, a escala pode ser usada para monitorar a eficácia das medidas preventivas adotadas.

Quer saber como ser especialista em tratamento de feridas?

Você já esteve diante de um paciente com ferida sem saber por onde começar? Ou se sentiu frustrado por não saber resolver o problema de um paciente? 

No curso de Tratamento de Feridas, você aprenderá de forma prática e objetiva:

  • Como avaliar uma ferida corretamente
  • Como escolher o melhor desbridamento
  • Quais as opções de coberturas para tratamento de infecção
  • Como proteger a pele perilesional
  • Diagnóstico Diferencial entre úlceras venosas e arteriais
  • Como escolher a melhor forma de compressão para as úlceras venosas
  • E muito mais

O curso todo é ministrado por mim, Dr. Evandro Reis, médico e enfermeiro estomaterapeuta com mais de 20 anos de experiência em cicatrização.

Atualmente, lidero uma equipe responsável por mais de cem atendimentos por dia em clínicas presenciais e serviços de Home Care.

E, ao longo da minha trajetória, já ministrei cursos de tratamento de feridas para mais de 10.000 pessoas, em 21 Estados.

Se você quer se tornar especialista em cicatrização, acesse aqui o curso e garanta sua inscrição. 

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 11 =

plugins premium WordPress
doutor-feridas-marca

Agende agora uma Consulta com um Especialista em Feridas

Temos especialistas em todo Brasil para atendimento em nossas clínicas ou em domicílio

doutor-feridas-marca

Agende agora uma consulta com um Especialista em Feridas​!

Temos especialistas em todo Brasil para
atendimento em nossas clínicas ou em
domicílio.

Aceitamos PIX, cartão ou boleto. Pagamento facilitado.