fbpx

Quais os melhores antibióticos para ferida infeccionada e quando são indicados?

Médico mostra comprimidos na mão para demonstrar quais os melhores antibióticos para ferida infeccionada

O uso de antibióticos em feridas infeccionadas deve ser uma decisão exclusivamente médica, após analisar diversos fatores da condição clínica do paciente.

Tendo essa premissa em mente, vamos conhecer, de uma forma geral, quais os antibióticos são mais indicados nestes casos e quando são necessários ao tratamento.

Quando é indicado usar antibióticos no tratamento de feridas?

Geralmente, a indicação para o uso de antibióticos ocorre quando há sinais claros de infecção na ferida, como vermelhidão, inchaço, calor excessivo, pus ou febre. 

Além disso, em casos onde a ferida é profunda, com potencial para infecção em tecidos subjacentes ou mesmo na corrente sanguínea, a administração oral de antibióticos torna-se uma estratégia preventiva eficaz. 

Porém, é preciso entender que essa decisão deve ser tomada com bastante cautela, pois o uso inadequado de antibióticos pode tornar as bactérias mais resistentes e prejudicar tratamentos futuros.

O que o médico avalia antes de indicar o melhor antibiótico para cada paciente?

Para a escolha do melhor tipo de antibiótico para cada situação, o médico vai considerar uma série de aspectos.

Um deles é o tipo de bactéria responsável pela infecção, o que pode ser feito através de uma cultura da ferida (procedimento em que é coletada uma parte da ferida para exame posterior). 

Além disso, o médico avalia o estado geral de saúde do paciente, assim como possíveis alergias a medicamentos e a presença de outras condições médicas que possam interferir no tratamento. 

Pomada antibiótica ou antibiótico oral: qual utilizar?

Essa avaliação também deve ser realizada pelo médico.

Na Doutor Feridas, nós nunca indicamos o uso de pomadas antibióticas.

Em diversos estudos, já ficou comprovado que as pomadas antibióticas costumam tornar as bactérias ainda mais resistentes, prejudicando o tratamento da ferida.

Por isso, quando é constatada a infecção, indicamos o uso de antibiótico via oral associado a curativos especiais que ajudam a impedir a proliferação de bactérias.

Dependendo da condição do paciente, podemos associar o antibiótico a um medicamento anti-inflamatório e outras alternativas para reduzir a dor e aumentar a eficácia do tratamento.

Quais os antibióticos para feridas infeccionadas mais comumente utilizados?

Feitas todas essas ressalvas, vamos agora conhecer quais os principais antibióticos para o tratamento de feridas infeccionadas e quando são mais indicados.

Lembrando que essa escolha deve ser realizada exclusivamente por um médico, após avaliar o histórico e a condição de saúde geral do paciente.

Amoxicilina-Clavulanato

A Amoxicilina-Clavulanato é uma combinação de amoxicilina, um antibiótico da família da penicilina, e ácido clavulânico, que funciona como um inibidor de beta-lactamase. 

Esta combinação torna o medicamento eficaz contra uma ampla gama de bactérias, incluindo as que podem ser resistentes a outros antibióticos.

O uso de Amoxicilina-Clavulanato é indicado para feridas infeccionadas que não respondem bem a outros tipos de antibióticos.

Além disso, é comumente utilizado em ambientes hospitalares para tratar infecções pós-operatórias que afetam o local da incisão.

Cefalexina

Da classe das cefalosporinas, a Cefalexina muitas vezes é a primeira escolha para tratar infecções de feridas que são consideradas não complicadas e leves. 

Isso porque ela é eficaz contra uma variedade de bactérias gram-positivas e gram-negativas, tornando-a uma opção versátil para o tratamento de feridas infectadas.

O uso de Cefalexina é geralmente bem tolerado, com um perfil de efeitos colaterais relativamente baixo. 

Clindamicina

A Clindamicina pertence à classe dos lincosamidas e costuma ser reservada para o tratamento de infecções de feridas mais graves ou para pacientes que são alérgicos à penicilina. 

Seu espectro de ação inclui uma variedade de bactérias, como estafilococos e estreptococos, que são comumente encontrados em feridas infectadas. 

O uso desse antibiótico é especialmente útil no tratamento de infecções de feridas causadas por cepas de bactérias resistentes a outros antibióticos.

Porém, há um risco maior de efeitos colaterais graves, como a colite pseudomembranosa, uma condição intestinal que pode ser fatal se não tratada adequadamente. 

Seus efeitos colaterais também costumam incluir problemas gastrointestinais, como diarreia e náuseas.

Diante disso, este antibiótico é geralmente reservado para casos mais graves e deve ser usado sob estrita supervisão médica. 

Dicloxacilina

Pertencente à classe das penicilinas resistentes à beta-lactamase, a Dicloxacilina  é mais utilizada para tratar infecções de feridas causadas por estafilococos, dentre eles as cepas resistentes à penicilina. 

Este antibiótico é reconhecido por sua eficácia contra Staphylococcus aureus, uma bactéria de presença comum em feridas infectadas e que pode ser resistente a outros tipos de antibióticos.

A Dicloxacilina é geralmente bem tolerada, com um perfil de efeitos colaterais relativamente baixo. 

Doxiciclina

A Doxiciclina é um antibiótico da classe das tetraciclinas e é normalmente indicada para o tratamento de infecções de feridas mais graves. 

É um antibiótico eficaz contra uma variedade de bactérias, incluindo aquelas que são resistentes a outros antibióticos. 

Por isso, costuma ser útil quando outros antibióticos não estão disponíveis ou falharam em eliminar a infecção.

É importante ressaltar que o uso de Doxiciclina requer cautela, principalmente em relação à exposição solar, já que este antibiótico pode tornar a pele mais sensível ao sol. 

Além disso, como outros antibióticos, é passível de efeitos colaterais gastrointestinais, como náuseas e diarreia. 

Trimetoprima-Sulfametoxazol

O Trimetoprima-Sulfametoxazol também é eficaz contra uma ampla variedade de bactérias. 

Pode ser uma boa opção para pacientes que são alérgicos a outros tipos de antibióticos e para infecções causadas por bactérias resistentes a outros medicamentos.

Seu uso deve ser feito com cautela, pois pode causar uma série de efeitos colaterais, incluindo problemas renais e reações alérgicas graves. 

Quais cuidados tomar ao utilizar antibióticos para tratamento de feridas?

  • Só utilize antibióticos com prescrição médica.
  • Obedeça, rigorosamente, a indicação médica de dias, horários e quantidade de comprimidos para consumo do antibiótico. Do contrário, seu organismo pode se tornar mais resistente a bactérias em futuras infecções.
  • Relate qualquer efeito colateral ao médico, para que possa tomar as medidas necessárias sem prejudicar sua condição de saúde.

Qual médico pode receitar antibióticos para tratamento de feridas infeccionadas?

De forma geral, todo médico está habilitado a receitar antibióticos.

No caso de tratamento de feridas infeccionadas, o ideal é se consultar com profissionais capacitados nessa área.

Na Doutor Feridas, contamos com médicos, enfermeiros estomaterapeutas, fisioterapeutas e outros profissionais especializados na cicatrização de feridas.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 1 =

plugins premium WordPress
doutor-feridas-marca

Agende agora uma Consulta com um Especialista em Feridas

Temos especialistas em todo Brasil para atendimento em nossas clínicas ou em domicílio

doutor-feridas-marca

Agende agora uma consulta com um Especialista em Feridas​!

Temos especialistas em todo Brasil para
atendimento em nossas clínicas ou em
domicílio.

Aceitamos PIX, cartão ou boleto. Pagamento facilitado.