LESÃO POR PRESSÃO

LESÃO POR PRESSÃO

Escara é um termo popular para uma ferida cujo nome correto é lesão por pressão. Úlceras de decúbito e escaras de decúbito. Trata-se de um problema recorrente em pacientes acamados por longos períodos ou em cadeirantes. Este tipo de ferida surge do contato prolongado de partes do corpo em contato com uma superfície (o colchão ou a cadeira de rodas, por exemplo), em que a pressão exercida pelo peso do corpo prejudica a circulação sanguínea. Por consequência, aquela região para de ser irrigada e deixa de receber nutrientes, levando ao surgimento de feridas. Neste artigo, você vai saber como tratar escaras.

Este pode ser um problema bastante sério, já que em casos mais graves o tecido sofre necrose, chegando a expor músculos e ossos, favorecendo o surgimento de infecções, pois a pele fica vulnerável. As escaras podem ser bastante doloridas em pacientes que possuem a sensibilidade preservada, e o tratamento em estágios mais extremos pode ficar mais difícil, diminuindo a qualidade de vida do paciente.

Qual é o tratamento mais indicado para as escaras?

O tratamento das escaras deve ser realizado por equipes multidisciplinares, envolvendo médicos, nutricionistas, fisioterapeutas e principalmente enfermeiros especialistas em tratamento de lesões. O estadiamento da ferida também é importante para determinar o tipo de tratamento, e vai variar em Estágios 1, onde a lesão é superficial, passando pelos graus 2 e 3, com surgimento de bolhas, nódulos e início da necrose dos tecidos, chegando até o grau 4, quando se perde todas as camadas da pele e existe e estruturas além da pele se tornam visíveis.

Tratamento por medicamentos

Em escaras mais superficiais, geralmente estimular a circulação de sangue no local afetado e aliviar a pressão sobre a região lesionada resolvem o problema – a pele cicatriza rapidamente. Como auxiliar, deve-se hidratar bastante a pele, fazendo uso de cremes hidratantes, os melhores são os compostos por ácidos graxos essenciais combinados com lanolina ou uréia. Formulações em óleo devem ser evitadas.

O laser de baixa intensidade estimula a cicatrização da ferida e a circulação do sangue.

Em caso de infecção, o médico deverá determinar, através de exames de sangue ou de cultura, qual é a bactéria que infecciona a ferida, para prescrever o antibiótico adequado.

Outros recursos utilizados são a aplicação de curativos especiais, e até mesmo o uso da papaína, que aceleram a cicatrização das escaras.

A limpeza deve sempre ser feita com soro fisiológico morno, secando muito bem a pele em volta da ferida e utilizando materiais que não tenham aderência sobre a região afetada. Quando a pele começa a cicatrizar, é comum o surgimento de grânulos avermelhados, que lembram a superfície da amora. Esta é uma situação normal e ocorre porque a cicatrização se dá de dentro para fora.

Procedimentos cirúrgicos

Quando as escaras chegam a um estágio de gravidade maior, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica, conhecida como desbridamento. Os tecidos mortos são removidos e o tratamento continua com curativos que favoreçam a cicatrização e sejam trocados periodicamente.

Prevenção como parte do tratamento

Uma parte importante do tratamento de escaras é a prevenção. Cuidados redobrados com o paciente evitam tanto que as lesões apareçam e também impedem que alguma lesão superficial que já exista evolua para um grau mais avançado.

Deixe uma resposta