fbpx

Ferida na perna: o que pode ser e como diagnosticar e tratar

Médico faz curativo para ferida na perna

A ferida na perna pode ter várias causas diferentes.

Por isso, é fundamental entender o seu histórico de doenças e da sua família para investigar as causas e, assim, fechar um diagnóstico.

Caso essa ferida tenha surgido há mais de 10 dias e não melhora, é sinal de que há algo errado e serão necessários cuidados para tratamento de uma ferida de cicatrização lenta.

Vamos entender quais são as causas mais comuns de feridas na perna e como evitar que o problema se agrave.

Causas comuns das úlceras de perna

As chamadas úlceras de perna podem ter tamanhos e formatos variados e atingir a pele em níveis diferentes.

Dentre os aspectos que levam ao aparecimento deste tipo de ferida na perna, estão os fatores internos, como embolias, coágulos sanguíneos, doenças e pressão alta.

Dentre os fatores externos mais comuns, estão os traumas ou batidas nos membros, sedentarismo, obesidade, tabagismo e consumo de álcool.

Tipos de feridas mais comuns nas pernas

Úlcera venosa (úlcera varicosa)

A úlcera venosa, também conhecida como úlcera varicosa, é uma doença causada pelo acúmulo de sangue nas pernas. 

É uma condição mais frequente em pessoas acima dos 50 anos.

A causa principal é a Insuficiência Venosa Crônica, um problema de circulação que faz o sangue não ter força suficiente para chegar ao coração.

Assim, ele se acumula nos membros inferiores, causando o escurecimento da pele e o endurecimento das veias desta região.

Normalmente, começa com o avermelhamento da pele e o aumento da temperatura na região atingida, ou seja, a pele fica vermelha e quente.

Há, ainda, uma sensação de inchaço nas pernas, que melhora ao se colocar as pernas para cima.

Além disso, o paciente sente cansaço e coceira na parte afetada

A ferida, a princípio, costuma não doer, porém se houver infecção a úlcera se torna bastante dolorosa.

É comum atingir a parte inferior das pernas, abaixo do joelho e acima do tornozelo.

Fatores de risco para úlcera venosa

  • Idade avançada;
  • Histórico familiar de problemas de circulação sanguínesa;
  • Gravidez;
  • Fumar e/ou ingerir álcool em excesso;
  • Ficar sentado ou em pé por longos períodos;
  • Varizes;
  • Histórico de coágulos sanguíneos nas pernas (trombose venosa profunda);
  • Bloqueio dos vasos linfáticos, acumulando líquidos nas pernas;
  • Fratura de um osso longo na perna.

Tratamento para úlcera venosa

É muito importante manter o local afetado sempre limpo. 

Pode haver a necessidade de se fazer procedimentos como o desbridamento de ferida ou enxerto de pele, e é o médico quem vai decidir a melhor forma de tratar as úlceras.

O tratamento da úlcera venosa é feito com compressão da perna com ataduras ou meias especiais para este fim e antibióticos, se houver infecção.

É necessário também realizar limpeza constante das feridas e utilizar curativos especiais que facilitam a cicatrização, sob orientação médica ou de enfermeiro estomaterapeuta.

Exercícios físicos moderados e repouso também podem ser de grande ajuda para a diminuição dos sintomas.

Úlcera arterial

Frequentemente causada pela arteriosclerose, a úlcera arterial tem como características dor intensa, vermelhidão, inchaço e calor no local.

Costuma apresentar queratose, que é o endurecimento da pele pelo excesso de queratina, além de ausência de pelos e necrose (morte dos tecidos).

A dor costuma piorar quando se eleva o membro. As úlceras arteriais têm bordas uniformes.

Fatores de risco para úlcera arterial

  • Diabetes mellitus;
  • Hipertensão;
  • Tabagismo;
  • Consumo de álcool;
  • Histórico familiar;
  • Dislipidemia;
  • Obesidade;
  • Sedentarismo;
  • Calçado ruim que protege inadequadamente contra alta pressão.

Tratamento de úlcera arterial

O tratamento é semelhante ao das úlceras venosas, com antibióticos, anti-inflamatórios, curativos especiais e limpeza constante da lesão. 

Deve-se evitar bater os membros afetados e usar calçados confortáveis, dentre outros cuidados.

Erisipela

A erisipela, ao contrário dos outros tipos de úlcera na perna, é causada por uma infecção na parte mais superficial da pele dos membros inferiores.

Ocorre quando, através de uma “porta de entrada” – um arranhão ou pequena ferida -, algum tipo de bactéria se instala na pele e causa os ferimentos.

Os sintomas são vermelhidão, inchaço, coceira e dor no local de surgimento da úlcera.

Fatores de risco para erisipela

  • Pequenas feridas entre os dedos causadas por micoses;
  • Corte nos pés ou nas pernas;
  • Inchaços;
  • Obesidade.

Tratamento para erisipela

O tratamento é feito através de antibióticos, via oral (comprimidos) ou injetáveis.

É muito importante tomar o antibiótico em todos os dias prescritos pelo médico, mesmo que a ferida apresente melhora, para que a bactéria seja totalmente combatida pelo organismo.

Celulite infecciosa

Este tipo de ferida nas pernas é bem semelhante à erisipela.

O que a diferencia é a profundidade da infecção: enquanto na erisipela ela é apenas superficial, na celulite infecciosa atinge as camadas mais profundas da pele.

Neste caso, a entrada da bactéria no organismo se dá por algum corte ou ferida já existente na perna, assim como na erisipela.

Normalmente, estas bactérias fazem parte da flora que habita na superfície da pele, sem causar problemas.

Ao entrar na corrente sanguínea e atingir os tecidos, no entanto, ocorre a infecção.

Fatores de risco para celulite infecciosa

  • Qualquer corte, fratura, queimadura ou arranhão dá às bactérias um ponto de entrada;
  • Sistema imunológico enfraquecido;
  • Pé de atleta ou qualquer condição que provoque rachaduras na perna;
  • Histórico de celulite;
  • Obesidade.

Tratamento para celulite infecciosa

O tratamento também é semelhante ao da erisipela, através de antibióticos. 

Se não houver melhora com o uso de antibióticos por via oral ou injetável, pode ser necessária a internação.

Dependendo do estado da ferida, é preciso intervenção cirúrgica para tratá-la.

Úlcera neuropática

A úlcera neuropática, também conhecida como úlcera de pé diabético, é uma lesão na pele causada por danos nos nervos periféricos, comumente associados à diabetes mellitus. 

Esses danos resultam na perda da sensibilidade da pele, tornando os pacientes mais suscetíveis a lesões que podem progredir para úlceras.

As úlceras neuropáticas geralmente surgem em áreas de alta pressão nos pés, especialmente na planta dos pés, calcanhares, laterais dos pés e pontas dos dedos. 

Essas áreas estão sujeitas a maior fricção e pressão durante a caminhada e podem desenvolver calosidades ou bolhas, que posteriormente se transformam em úlceras.

Seus principais sintomas são a ausência de dor na área afetada, dormência ou diminuição da sensibilidade na pele, formigamento e presença de calosidades.

Fatores de risco para úlcera neuropática

  • Diabetes mellitus, especialmente quando associada a neuropatia periférica;
  • Neuropatia periférica de outras causas, como alcoolismo, deficiências nutricionais ou condições autoimunes;
  • Deformidades nos pés, como joanetes ou dedos em martelo;
  • Uso de calçados inadequados, apertados ou que não se ajustam corretamente;
  • História prévia de úlceras neuropáticas ou complicações relacionadas ao diabetes.

Tratamento de úlcera neuropática

O tratamento da úlcera neuropática visa principalmente prevenir complicações, promover a cicatrização da ferida e evitar recorrências.

Isso pode incluir o desbridamento para remover tecidos mortos, uso de palmilhas especiais, controle de glicemia e a aplicação de curativos especiais.

Feridas traumáticas

As feridas traumáticas nas pernas são lesões na pele causadas por traumas diretos, como cortes, lacerações ou contusões. 

Podem ocorrer devido a acidentes, quedas, colisões ou ferimentos penetrantes. 

Essas lesões podem variar em gravidade, desde feridas superficiais até ferimentos mais profundos que afetam os tecidos subjacentes, como músculos, vasos sanguíneos e ossos.

Seus principais sintomas são dor no local da lesão, sangramento, inchaço, vermelhidão ao redor da ferida e possível presença de corpos estranhos na ferida, como sujeira ou detritos.

Tratamento de feridas traumáticas

  • Limpeza cuidadosa da ferida com soro fisiológico ou água morna corrente;
  • Remoção de corpos estranhos ou detritos da ferida;
  • Aplicação de curativos estéreis para proteger a ferida e absorver o excesso de umidade;
  • Administração de vacina antitetânica, se a ferida for profunda ou contaminada;
  • Uso de analgésicos para aliviar a dor, se necessário.

Como funciona o diagnóstico de ferida na perna

Ao se notar o surgimento de alguma ferida na perna, que apresente os sintomas citados e demore para cicatrizar, é imprescindível procurar um médico especializado em feridas.

Isso porque em casos de feridas crônicas, sem investigar a causa, é impossível promover a cicatrização.

O diagnóstico de ferida na perna envolve aspectos como:

  • Exame físico;
  • Exames de sangue para identificar eventuais problemas de saúde que estejam impedindo a cicatrização;
  • Exames de imagem para identificar o tipo de ferida e a sua gravidade;
  • Anamnese envolvendo histórico médico do paciente e familiar;
  • E outros procedimentos.

Somente com essas informações o médico poderá ministrar medicamentos para controlar a causa da ferida e indicar o melhor tratamento.

Quer obter um diagnóstico para sua ferida na perna? Agende uma consulta de avaliação em uma das nossas clínicas.

O que não usar em feridas na perna

Tão importante como saber tratar uma ferida na perna, é entender o que NUNCA usar em uma ferida, seja ela na perna ou em qualquer lugar do corpo.

Você não pode usar água oxigenada em ferida, álcool, pomadas antibióticas e outras receitas caseiras que além de não ajudar, podem piorar a cicatrização da ferida.

Como acelerar a cicatrização de feridas na perna

Além do tratamento convencional, existem diversos métodos que ajudam a acelerar a cicatrização.

Um desses métodos é a terapia por pressão negativa ou curativo a vácuo, que atua promovendo uma sucção na ferida, o que ajuda a combater a infecção e a inflamação e promover a cicatrização.

Outro tratamento associado pode ser a aplicação de laser na ferida, que é indolor e altamente eficaz.

Muitos pacientes também optam pela oxigenoterapia hiperbárica, que envolve a administração de oxigênio puro em ambiente pressurizado, promovendo a rápida absorção de oxigênio pelos tecidos corporais.

Qual médico procurar para tratar ferida na perna?

Os profissionais mais habilitados a tratar feridas na perna são o médico vascular e o enfermeiro estomaterapeuta.

Na rede de clínicas Doutor Feridas, temos um time completo de profissionais da saúde de diversas especialidades para fechar o diagnóstico e dar início ao tratamento o mais rápido possível.

O diagnóstico pode ser feito em uma de nossas unidades ou através da telemedicina. 

Agende uma consulta de avaliação gratuitamente e obtenha um diagnóstico de tratamento para sua ferida.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

2 respostas

  1. Bom dia , sou examinador de leishmaniose e tenho encontrado varias ulceras parecida com a lta leishmaniose tegumentar americana , e o resultado sempre dá não reagente , isso pode ser uma ulcera venosa ou erisipela.

    1. Olá Antonio , a respeito ao seu caso teria que ter uma avaliação mas precisa, poderia nos contactar por nosso whatsapp (11)96181-7880 , para te auxiliar melhor. Aguardo retorno !!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − onze =

plugins premium WordPress
doutor-feridas-marca

Agende agora uma Consulta com um Especialista em Feridas

Temos especialistas em todo Brasil para atendimento em nossas clínicas ou em domicílio

doutor-feridas-marca

Agende agora uma consulta com um Especialista em Feridas​!

Temos especialistas em todo Brasil para
atendimento em nossas clínicas ou em
domicílio.

Aceitamos PIX, cartão ou boleto. Pagamento facilitado.